O brilho eterno de uma mente sem lembranças

As vezes eu tenho medo de nunca ser o orgulho de alguém.

As vezes eu tenho medo de nunca ser o orgulho de alguém.

“Vão os anos, apagam os danos. Enganos, mas sempre você nos meus planos. Então fica até o sol chegar, que eu ligo pro sol pra avisar que hoje ele pode demorar. Lá fora o mundo desmorona. A maldade do mundo te fez ser durona. Te amo mais do que me amo, sei que é cafona. O amor é uma viagem, valeu pela carona”
Tão moleque. (via se-eu-pudesse)

(via vivendosaudade)

“Por favor, não me entenda mal. Não quero que você pense que meu coração é feito de lama congelada e cravejado de pregos enferrujados. Posso confessar? Chega mais pertinho, me dá um pouco de atenção, preciso daquele olhar amigo, cúmplice, que entende e acolhe todos os medos silenciosos e tolos. Ando um pouco assim, silenciosa e tola. Ando perdida, carente, repensando a vida e me perguntando até quando.”
— Clarissa Corrêa (via verbosaudade)
“Não sei se ainda consigo fingir que isso não está me machucando. Ei, eu não sou tão fabulosa assim. Sofro meio calada no meu canto, não quero incomodar com o barulho do meu discreto soluço. Mas a verdade é que ando me sentindo sem valor. Parece que o mundo inteiro é mais legal, inteligente, sarado e bonito. E eu aqui, decadente, com o esmalte rosa pink descascado, um jazz contemporâneo invadindo a sala, o parmesão mofado na geladeira e um vinho que estava em promoção na taça rachada e suja de batom da Mac paraguaia. Eu e uma solidão assustadora. Eu e pensamentos estranhíssimos. Mas sou estranhíssima, vivo em um mundo estranhíssimo e gente assim tem vida estranhíssima, logo, pensamentos estranhíssimos. Então está tudo bem. Será que está mesmo? Será que estamos bem? Será que sobreviveremos? Será que sobreviverei? Não sei e nunca saberemos. Mas tento viver e renascer todos os dias. Pelo menos tenho consciência que não estou apenas sobrevivendo. O sobreviver aos dias é que deve ser amargo e quase deprimente. Sobreviver dói demais, pois o peso da vida é todo colocado em cima dos ombros. Viver e renascer, essa é a grande mágica, essa é a grande lógica, essa é a grande questão.”
— Clarissa Corrêa (via verbosaudade)
E disse que não tá bem!

E disse que não tá bem!

Mas sabe quando você é criança, cai e machuca o joelho?.. por alguns minutos aquela dor é a pior dor do mundo. Até que alguém segura sua mão e diz que vai passar. Eu peço todos os dias, pra ser que mesmo com ralados no joelho, mesmo com dores internas, mesmo que a vida seja dura e as vezes injusta, que eu não perca a vontade de sorrir, de vencer, de estar ao lado de quem amo e querer fazer com que essa pessoa esteja bem. Nada acaba sem que algo comece, e não começa sem que algo chegue ao fim. Chegou a hora de se refazer e de ser feliz. Espero que queira a felicidade ao meu lado

Mas sabe quando você é criança, cai e machuca o joelho?.. por alguns minutos aquela dor é a pior dor do mundo. Até que alguém segura sua mão e diz que vai passar. Eu peço todos os dias, pra ser que mesmo com ralados no joelho, mesmo com dores internas, mesmo que a vida seja dura e as vezes injusta, que eu não perca a vontade de sorrir, de vencer, de estar ao lado de quem amo e querer fazer com que essa pessoa esteja bem. Nada acaba sem que algo comece, e não começa sem que algo chegue ao fim. Chegou a hora de se refazer e de ser feliz. Espero que queira a felicidade ao meu lado